A teoria ricardiana do aluguel (com diagrama)

Leia este artigo para aprender sobre a teoria ricardiana do aluguel.

  1. Explicação da Teoria
  2. Pressupostos da teoria
  3. Razões para a Existência de Aluguel
  4. Deduções da Teoria
  5. Críticas da teoria

Explicação da teoria:

David Ricardo, economista clássico inglês, desenvolveu uma teoria em 1817 para explicar a origem e a natureza do aluguel econômico.

Ricardo usou o valor econômico e o aluguel para analisar uma questão em particular. Nas guerras napoleônicas (18.05-1815) houve um grande aumento nos preços do milho e da terra.

O aumento dos preços da terra elevou o preço do milho ou o alto preço do milho aumentou a demanda por terra e, portanto, elevou os preços da terra. Ricardo definiu aluguel como "a parte da produção da terra que é paga ao proprietário pelo uso dos poderes originais e indestrutíveis do solo". Em sua teoria, o aluguel não passa de excedente ou ganho diferencial do produtor, e é encontrado apenas em terra.

Pressupostos da teoria :

A teoria ricardiana do aluguel é baseada nas seguintes suposições:

1. O aluguel da terra surge devido às diferenças na fertilidade ou situação dos diferentes lotes de terra. Surge devido aos poderes originais e indestrutíveis do solo.

2. Ricardo assume o funcionamento da lei de retornos marginais decrescentes no caso do cultivo da terra. Como os diferentes lotes de terra diferem em fertilidade, a produção dos lotes inferiores diminui, embora o custo total de produção em cada lote seja o mesmo.

3. Ricardo olha o suprimento de terra do ponto de vista da sociedade como um todo.

4. Na teoria ricardiana, supõe-se que a terra, sendo um presente da natureza, não tenha preço de fornecimento nem custo de produção. Portanto, o aluguel não faz parte do custo e, portanto, não entra e não pode entrar em custo e preço. Isso significa que, do ponto de vista da sociedade, todo o retorno da terra é um ganho excedente.

Razões para a existência de aluguel:

Segundo Ricardo, o aluguel surge por duas razões principais:

(1) Escassez de terra como fator e

(2) Diferenças na fertilidade do solo.

Escassez Aluguel:

Ricardo assumiu que a terra tinha apenas um uso - cultivar milho. Isso significava que seu suprimento era fixo, como mostra a Figura 13.1. Portanto, o preço da terra foi totalmente determinado pela demanda por terra. Em outras palavras, todo o preço de um fator de produção na oferta perfeitamente inelástica é o aluguel econômico - ele não tem ganhos de transferência.

Assim, foi o alto preço do milho que causou um aumento na demanda por terras e um aumento em seu preço, em vez de o preço da terra elevar o preço do milho. No entanto, essa análise depende da suposição de que a terra tenha apenas um uso. No mundo real, um pedaço de terra específico pode ser usado para muitos usos diferentes. Isso significa que seu suprimento para qualquer uso é elástico, de modo a gerar ganhos de transferência.

Aluguel Diferencial:

Segundo Ricardo, o aluguel da terra surge porque os diferentes lotes têm diferentes graus de poder produtivo; algumas terras são mais férteis que outras. Portanto, existem diferentes graus de terra. A diferença entre o produto das terras superiores e o das terras inferiores é o aluguel - o que é chamado aluguel diferencial. Ilustremos o conceito ricardiano de renda diferencial.

Aluguel diferencial devido a diferenças na fertilidade do solo:

Ricardo assume que os diferentes graus de terras são cultivados gradualmente em ordem decrescente - a terra de primeiro grau sendo cultivada no início, depois o segundo ano, depois o terceiro ano e assim por diante. Com o aumento da população e com o consequente aumento da demanda por produtos agrícolas, cultivam-se graus inferiores de terras, criando um excedente ou aluguel para os graus superiores. Isso é ilustrado na Tabela 13.1.

Tabela 13.1: Cálculo do aluguel diferencial

A Tabela 13.1 mostra a posição de 3 diferentes lotes de terra de tamanho igual. O custo total é o mesmo para cada lote de terreno. Vamos supor que a ordem de cultivo chegue ao terceiro estágio, quando todos os três lotes de terras de diferentes graus são cultivados e o preço de mercado chega ao nível de Rs. 5 por kg de trigo.

A terra de primeiro grau, sendo a mais fértil, produz 40 kg, a segunda de 70 kg e a terra de terceiro grau, sendo menos fértil, apenas 20 kg. Assim, a terra de primeiro grau ganha um excedente ou aluguel de Rs. 100, a segunda série um aluguel de Rs. 50 e o terceiro não ganha excedente. Os dois primeiros lotes são chamados de intra-marginal e o terceiro é o terreno marginal (ou sem aluguel). Este exemplo simples mostra como as diferenças na fertilidade dos diferentes lotes de terra criam aluguel para os lotes superiores.

O conceito de aluguel diferencial decorrente de diferenças na fertilidade de diferentes lotes de terra é ilustrado na Fig. 13.2.

Aqui, AD, DG e GJ são três lotes separados do mesmo tamanho, mas com diferenças na fertilidade. A produção total de DA é ABCD, a de DG é DEFG e a de GJ é GHIJ. O primeiro e o segundo lotes de terra geram um excedente de exibição pela área sombreada, que representa o aluguel dos dois primeiros lotes. Como o terceiro lote, GJ não tem excedente, é terra marginal ou sem aluguel. As terras de grau 4 (abaixo do marginal) não serão cultivadas, porque o aluguel é negativo (Rs. 25 neste exemplo).

Aluguel e Preço :

A partir da teoria ricardiana, podemos mostrar a relação entre aluguel (da terra) e preço (do trigo). Como o preço de mercado do trigo é determinado pelos custos do produtor marginal e como, para esse produtor marginal, os aluguéis são zero, Ricardo concluiu que o aluguel econômico não é determinante do preço de mercado. Em vez disso, o preço do trigo é determinado exclusivamente pela demanda do mercado por trigo e pela disponibilidade de terras férteis.

Deduções da teoria :

Se o aluguel depende do preço e da superioridade da terra produtora da renda sobre a terra marginal, podemos deduzir o seguinte:

1. Métodos agrícolas aprimorados:

Métodos de cultivo aprimorados podem levar a uma queda no aluguel (a demanda permanece inalterada). Isso ocorre porque o aumento da produção nos graus superiores de terra tornará desnecessário o cultivo de graus inferiores de terra.

2. Crescimento populacional:

É provável que o crescimento populacional leve a um aumento no aluguel, uma vez que o aumento da demanda por terras trará terras de baixa qualidade para o cultivo, diminuindo assim a produção de terras marginais. Assim, se o preço dos alimentos aumentar, o aluguel das terras existentes aumentará.

3. Instalações de transporte aprimoradas:

As instalações de transporte aprimoradas provavelmente levarão a uma queda no aluguel. Isso ocorre porque a produção de terras menos férteis de países estrangeiros pode competir mais estreitamente com os produtos domésticos. Portanto, não haverá necessidade de cultivar áreas residenciais inferiores. Como resultado, a produção da terra marginal aumenta e o aluguel diminui.

Portanto, é difícil dizer se a renda aumenta ou não com o progresso econômico. No entanto, é provável que a renda caia com o progresso econômico se o crescimento da população for incapaz de neutralizar completamente os efeitos do progresso tecnológico e da melhoria nas instalações de transporte.

Críticas da teoria :

A teoria ricardiana foi criticada pelos seguintes motivos:

1. Ricardo considera a terra como fixa no suprimento. Obviamente, a terra é fixada em um sentido absoluto. Mas a terra tem usos alternativos. Portanto, o fornecimento de terra para um uso específico não é fixo (inelástico). Por exemplo, o suprimento de terras de trigo não é absolutamente fixo em um dado momento.

2. A ordem de cultivo de terras por Ricardo também não é realista. Se o preço do trigo cair, a terra marginal não precisará necessariamente sair do cultivo primeiro. Classes superiores de terra podem deixar de ser cultivadas se uma queda no preço de sua produção fizer com que essa terra seja demandada para outros fins (por exemplo, na construção de casas).

3. A produtividade da terra não depende inteiramente da fertilidade. Também depende de fatores como posição, investimento e uso efetivo do capital.

4. Os críticos apontaram que a terra não possui poderes originais e indestrutíveis, pois a fertilidade da terra diminui gradualmente, a menos que fertilizantes sejam aplicados regularmente.

5. A suposição de Ricardo de terras sem aluguel é irrealista como, na realidade; todo terreno ganha algum aluguel, embora a quantia possa ser pequena.

6. Ricardo restringiu o aluguel à terra, mas economistas modernos mostraram que o aluguel surge em troca de qualquer fator de produção, cuja oferta é inelástica.

7. Segundo Ricardo, o aluguel não entra em preço (custo), mas do ponto de vista de um aluguel individual, faz parte do custo e do preço.

Conclusão:

Apesar das várias deficiências da teoria ricardiana, ela não pode ser descartada - como observou Stonier e Hague - “o conceito de ganhos de transferência ajuda a trazer a simples teoria ricardiana da renda para uma relação mais próxima com a realidade”.

 

Deixe O Seu Comentário